Ponto de partida

Normalmente, esse passo só acontece uma vez. É uma reunião... não, é mais que uma reunião. Passamos um dia inteiro com você e sua equipe para explorar os aspectos estratégicos do projeto. Mais especificamente, discutimos as oportunidades e os desafios do negócio; levantamos o conhecimento existente sobre o que você quer resolver, criar ou melhorar; listamos concorrentes diretos e indiretos; e, por fim, definimos expectativas e objetivos para o projeto.

Depois disso, elaboramos juntos uma visão global daquilo que você quer construir, descrevendo os requisitos como histórias (abrangentes) de usuários. Elas são priorizadas por ordem de importância para o negócio, definindo um plano de ação com milestones. Este plano de ação não é definitivo, mas servirá como norte do projeto e vai guiar nosso processo conforme avançamos. Afinal, sabemos que o mercado é dinâmico e escolhemos abraçar as mudanças, ao invés de remar contra a maré.

A última parte do Ponto de Partida é definir a equipe e os papéis de cada um: DERP, Product Owner e Desenvolvedores.


Ilustração de um astronauta flutuando no espaço, representando a etapa de Imersão

Imersão

Aqui é quando a gente mergulha de cabeça no seu universo. O objetivo é coletar mais informações sobre o projeto e construir um entendimento compartilhado do contexto no qual o produto estará inserido.

Começamos estudando as partes interessadas no projeto e as pessoas que usarão o produto. Ao criar empatia com os usuários, aprendemos e compreendemos seus objetivos, incômodos e expectativas. Toda a informação é coletada através de entrevistas, pesquisa e observação de contexto. Daí, analisamos os dados a fim de criar personas para representar esses potenciais usuários.


O objetivo é coletar mais informações sobre o projeto e construir um entendimento compartilhado do contexto.

Para o um processo imersivo mais completo, pesquisamos detalhadamente a concorrência. Com uma análise de referências precisa, começamos a entender como o seu produto vai se destacar ao fazer melhor do que os seus concorrentes, não necessariamente mais.


É aqui que o processo fica incremental e iterativo de verdade. Trabalhando em ciclos semanais, criamos uma funcionalidade de cada vez. De acordo com as prioridades definidas no Ponto de Partida e as necessidades atuais do seu negócio, escolhemos juntos qual parte do quebra-cabeças vai ser resolvida a seguir.

Ilustração de um satélite enviando dados através de ondas eletromagnéticas, representando a etapa de Descoberta

Descoberta

Entendimento

O primeiro passo é te ajudar a formular hipóteses sobre seu o negócio. Cada uma delas vai dar o suporte necessário para que você avalie corretamente as soluções que vamos propor. A validação dessas hipóteses, por sua vez, vai guiar o design de produto. Depois, fazemos um brainstorm de soluções através de cenários de uso, mapeando possíveis caminhos para que os usuários alcancem o resultado desejado.

Protótipo

Para começar a prototipar, fazemos rascunhos. Eles nos ajudam a organizar informações; pensar em fluxos de navegação; testar ideias para modelos de interação; e combinar elementos para compor uma proposta de interface. Então, criamos um protótipo de alta fidelidade, clicável e interativo. Achamos que este é o melhor modo para fazer usuários reagirem de maneira mais natural e honesta. Neste momento, uma reação espontânea é mais relevante que um feedback verbal e racionalizado.

Validação

Agora, a gente brinca de observar e aprender. Testar com pessoas de verdade é muito importante por dois motivos: validamos as soluções que prototipamos e aproveitamos a oportunidade para detectar e consertar problemas de usabilidade. Depois, compartilhamos e discutimos os resultados com você e sua equipe. Se as suposições forem confirmadas e a solução for adequada, seguimos para a próxima fase. Se não, continuamos a explorar alternativas.


Illustration of a spacecraft project, representing the Build step

Construção

Design Visual

Aqui, a interface ganha cara e personalidade. Ao misturar ingredientes gráficos — cores, tipografia, iconografia, fotografia e movimento —, compomos elegância e reforçamos valores de marca. Todas estas qualidades estéticas ressaltam as de usabilidade, como visibilidade, consistência, affordance e feedback.

Desenvolvimento Front-end

Com a aparência e a alma definidas, é hora de seguir para a camada de front-end, que é cuidadosamente codificada a mão por designers e programadores. Desde a primeira linha de código, seguimos uma abordagem modular, dividindo a interface em componentes reutilizáveis e os colocando em uma biblioteca de padrões do projeto. Uma vez construídas, estas partes independentes tornam a interface mais fácil de criar, crescer e manter.

Desenvolvimento Back-end

Num trilho paralelo, o trem do desenvolvimento de back-end está marchando a todo vapor, cuidando da parte pesada de programação.

Num trilho paralelo, o trem do desenvolvimento de back-end está marchando a todo vapor, cuidando da parte pesada de programação. Coisas como linguagens, bibliotecas, ferramentas, bancos de dados, plataformas e integrações. Tudo isso para construir um sistema seguro, confiável e de alta performance. Em outras palavras, uma base sólida para dar sustentação a uma ótima interface.


Ilustração de uma espaçonave viajando entre planetas, representando a etapa de Publicação

Publicação

Quando seu software está pronto para ser usado — ou pelo menos tem as funcionalidades mínimas que seus usuários precisam — é hora de publicá-lo para o mundo. A publicação acontece em dois momentos: staging e produção. O primeiro para testes mais restritos e o segundo quando ele é liberado para que os usuários possam, obviamente, usá-lo. Este também é o ponto no qual migramos dados de sistemas anteriores e configuramos integrações com serviços externos.

Descoberta, Construção e Publicação compõem uma iteração. Enquanto a aplicação ainda não está completa, continuamos voltando ao Ciclo de Criação para desenvolver ou melhorar funcionalidades.


Manutenção

Monitoramos a aplicação continuamente, garantindo que ela esteja disponível, pronta pra ser usada. Também checamos métricas de performance, adequando a infraestrutura conforme seu uso cresce ou diminui. Assim, mantemos seu software rodando rápido sem desperdiçar recursos (vulgo dinheiro).


Nós mantemos seu software rodando rápido sem desperdiçar recursos.

Definimos e acompanhamos métricas importantes para o seu negócio, para você ficar de olho em indicadores-chave de desempenho, sejam eles padronizados ou customizados. E, por sinal, na Manutenção também consertamos possíveis bugs e fazemos pequenos ajustes para deixar a aplicação funcionando do jeito que você precisa.

Ilustração de um rover espacial analisando um objeto, representando a etapa de Manutenção

Sabemos que seu projeto é único, assim como é o nosso processo a cada vez que o seguimos. Nada é definitivo e cada passo pode ser adaptado para atender seus objetivos e propósitos.


Ilustração de pessoas estudando juntas, representando a construção de conhecimento
Nós estamos sobre o ombro de gigantes. Nossos cumprimentos a essas pessoas incríveis que nos inspiram: Lean UX, de Gothelf; Design Sprint, de Knapp; Design Centrado no Usuário, da IDEO; Elementos da Experiência do Usuário, de Garret; SCRUM e outros.